Brainwriting: muito além da Entrevista!

Fonte pixabay. Brainstorming e brainwriting

Vou ver o que cliente quer. Para apoiar essa necessidade, a maior preparação está limitada em se pegar um bloco de rascunho e a chave do carro. Evidentemente, existem aqueles que estão cientes que existe um antes, um durante e um depois no levantamento de requisitos. São tantos os itens que esses cuidados profissionais costumam tomam duas providências:

  • realizar uma atualização sobre a técnica e uma auto-crítica das suas últimas atuações
  • consultas seu check-list para que nenhum ponto seja esquecido.

E tem tanta coisa assim? Claro! No caso da entrevista é preciso montar o roteiro da entrevista, divulgar ao entrevistado, escolher o local adequado, preparar os recursos,  levantar informações preliminares sobre o sistema, estudar o entrevistado, escolher a abordagem mais adequada, organizar e interpretar os resultados, divulgar as conclusões parciais… só para citar algumas providências indispensáveis!

Então, a especialização continua sendo a palavra de ordem. Estudar técnicas e relações humanas faz parte do perfil de um profissional de sucesso. Em outras palavras, significa ir além das entrevistas.

Uma técnica alternativa muito conhecida é o brainstorming. Bem aplicada, pode-se obter uma boa quantidade de ideias. Por outro lado, o risco de ser pouco objetiva e de ser monopolizada por alguns participantes.

A saída para fazer frente a esses riscos é o brainwriting. A técnica pode ser aplicada dividindo os participantes em grupos de 5 ou 6 pessoas, sendo que oferecido aos grupos uma questão. Cada participante escreve a sua opinião sobre a questão. Ao terminar, deve ser colocada a folha no centro da mesa e ser pega a folha de respostas de outro integrante do grupo. Ao pegar a folha, o participante critica as colocações encontradas por escrito: ele pode concordar, complementar, discordar… sempre por escrito. O debate vai sendo construído nessas rodadas sucessivas. Ao final, pode ser distribuída uma nova pergunta.

Como aspectos favoráveis ao brainwritng, podem ser apontados:

  • Liberdade para críticas; permite a expressão sem timidez ou intimidação.
  • Permite que todos participem; não permite que a discussão seja monopolizada; maior liberdade para participar.
  • Não descarta nenhuma proposta.
  • A documentação, registro das ideias, é feito de forma organizada.
  • Permite uma alta revisão e reorganização das ideias.
  • Mantém o foco no assunto; evita dispersão ou prolixidade.
  • Não exige que haja defesa em público das propostas

Ao mesmo tempo, alguns aspectos negativos ou riscos estão presentes e merecem a atenção do moderador:

  • A leitura pode limitar a interpretação das ideias.
  • A crítica pode ser prejudicada pelo entendimento incorreto.
  • Pode ser difícil expressar uma proposta por escrito, de forma precisa e objetiva.7
  • Não permite o convencimento das pessoas por discursos orais.

Uma variação muito conhecida do brainwriting é o Método 6-3-5. Seis pessoas recebem a tarefa de apresentar três ideias em cinco minutos. Vou falar nele na próxima postagem.

Continue nos acompanhando, aqui o Blog e no Facebook. Grande abraço!

.
QUERO RECEBER NOVIDADES DA REDE!