Eu te odeio, Análise Estruturada!

Eu continuo a aplicar e a ensinar o que aprendi com a Análise Estruturada de Sistemas. Essa atitude provoca surpresa e, alguma vezes, revolta: “Por que eu devia estudar isso? O que você vê de útil nesse conhecimento ultrapassado? Eu te odeio!”

O perspicaz Alexandre Gomes já tinha me ensinado sobre o ódio entre as tribos da tecnologia. Ele alertava: alguns fazem do seu conhecimento trincheiras de disputas e seguem padrões de comportamento de extremistas religiosos. Se eu desenvolvo usando métodos ágeis, eu odeio o pessoal quem desenvolve com outros paradigmas (e vice-versa!). Se sou programador Java, nem me venha falar de PHP!

O pensamento mais equilibrado e produtivo de todos nós deveria ser: conhecimento abre oportunidades e amplia o nosso leque de opções na solução de problemas. Assim, não deixe que a sua valiosa especialização termine por te cegar para alternativas poderosas. Tenha a sabedoria de  não desprezar o que já se sabia há alguns anos atrás pela simples ditadura do novo. Lembre-se:

Se você só conhece martelo, todos os pregos se parecerão parafusos!

Quer dizer que você precisa olhar para sua caixa de competências e encontrar diversas ferramentas e ter a competência de decidir pela mais adequada.

 

Em termos práticos:
Na Engenharia de Requisitos, para entendermos o problema do cliente um excelente ponto de partida é modelar os processos de negócio que poderão ser automatizados. Você pode dominar apenas uma técnica, se apaixonar por aquela da moda, ou incorporar no seu leque de competências alternativas como:

  • Business Process Modeling (BPM)
  • Fluxograma
  • 5W2H
  • Lista de verificação (check list)
  • Ciclo do PDCA
  • Diagrama de Fluxo de Dados  (DFD)

– “Você disse DFD? Aquele da Análise Estruturada? Aquela Análise de Sistemas da década de 1980? “

Sim, o DFD é uma ferramenta poderosa para modelar processos. Também é relativamente simples, pois se vale apenas de 4 representações gráficas: entidades externas, processos, fluxo de dados, e depósitos.

Além disso ela já foi empregada com muito sucesso em discussões de modelos com usuários finais. Claro que o usuário final não precisa saber desenhar um DFD, mas não é difícil entender o seu significado e validar a sua representação.

– “Você não entendeu! Eu odeio a Análise Estruturada!

Diante dessas manifestações semelhantes de pouco adianta lembrar dos sistemas legados. Existe uma infinidade linhas de código em execução e com alto desempenho em bancos, tribunais e órgãos públicos. Elas foram construídas de acordo com a concepção da Análise Estruturada, tendo como berço a modelagem dos seus processos de acordo com a técnica dominante no passado.

Então lanço à pessoa desconfiada a pergunta: Você conhece a Análise Estruturada? Não me refiro aquele conhecimento de poucas linhas de leitura. Estou pensando na leitura mínima de 2 ou 3 livros sobre o tema (Gane e Sarson, DeMarco, Yourdon).

Adivinha qual é a resposta: Não!

Nesse momento, lembro-me de alguns críticos do cinema nacional. Ao serem indagados sobre sua avaliação sobre o último lançamento brasileiro, a resposta desse tipo de crítico costuma ser:

Não vi e não gostei“.

 

.
QUERO RECEBER NOVIDADES DA REDE!